Vale a pena solicitar empréstimo para empresa durante a pandemia?

Solicitar empréstimo neste momento… essa é sem dúvida alguma uma pergunta que muitos empresários estão se fazendo.

O momento que estamos vivenciando é atípico. Simplesmente de uma hora para outra, fomos obrigados a fechar as portas dos nossos negócios por conta de um vírus silencioso e mortal que se alastrou pelo mundo.

O Brasil que estava começando a se recuperar de um profundo recesso econômico, novamente tomou um tombo. E como era de se esperar, o micro e pequeno empresário sentiu rapidamente este efeito.

Sem faturamento e com as despesas obrigatórias para honrar, os pequenos empreendedores enfrentam um dilema: tomar ou não um empréstimo nesta hora?

Entendendo a diferença de fluxo de caixa e custo

Para responder essa questão é preciso primeiramente falar um pouco sobre a diferença entre fluxo de caixa e custo.

Afinal, ao tomar um empréstimo, o empresário não está corrigindo o custo da empresa, mas sim o seu fluxo de caixa, sendo que futuramente haverá um impacto nos custos e por isso é muito importante fazer essa análise.

Portanto, antes de tomar um empréstimo o primeiro caminho que o empresário precisa seguir é o ajuste de custos. Como a realidade de faturamento mudou, é preciso cortar onde for preciso para que a empresa sobreviva.

Claro que usar a criatividade para pensar em novas possibilidades de venda também é importante. Principalmente explorando os canais digitais para evitar que a queda na receita seja ainda pior.

Mas, em um primeiro momento é preciso olhar para a realidade, ver qual foi o valor da queda no faturamento e procurar realizar os cortes necessários.

Feito isso, com os custos mais ajustados, o empresário precisa prever qual será a sua necessidade de caixa por um determinado período de tempo. Até porque, será necessário usar uma reserva para a redução de custos.

Pois, ao rescindir um contrato de trabalho, por exemplo, há os encargos trabalhistas que precisam ser pagos neste momento.

Procurando o melhor empréstimo para a empresa

Após trazer os custos para a realidade atual e avaliar a necessidade de capital de giro da empresa, o empresário deverá então procurar por empréstimos com juros baixos e prazos estendidos de pagamento.

É importante evitar o endividamento de curto prazo, principalmente com descontos de recebíveis, cheque especial e cartão de crédito.

É comum que nesta hora essas modalidades sejam as mais fáceis de serem tomadas. Contudo, elas são as mais prejudiciais, pois endividam a empresa no curto prazo e possuem taxas de juros mais agressivas.

Por conta da pandemia, diversos bancos criaram linhas de crédito bastante atraentes para os empresários. Há inclusive uma linha do governo destinada para o pagamento de funcionários com juros vinculados a taxa Selic.

Ademais, esse empréstimo também possui 3 meses de carência para o início do pagamento, bem como um prazo de 36 meses para a quitação do empréstimo.

Note que o prazo estendido e os juros baixos possibilitam à empresa adequar melhor o fluxo de caixa, evitando uma inadimplência futura.

Empréstimo para capital de giro

Quando o faturamento de uma empresa cai, o custo fixo acaba abocanhando parte do capital da mesma.

Desse modo, se uma empresa possui um capital pequeno é bem possível que ela irá enfrentar uma crise de liquidez. Ou seja, faltará dinheiro para honrar os seus compromissos de curto prazo.

Dependendo do grau de alavancagem da organização, o problema pode ser ainda mais grave. Pois, se a dívida de uma empresa é muito superior ao seu patrimônio líquido, esse momento será praticamente de vida ou morte.

Entendendo esse dilema, tanto o governo quanto as instituições bancárias focaram os empréstimos para capital de giro da empresa.

Contudo, se os custos estiverem desalinhados e o endividamento da empresa já estiver alto, certamente a falta de liquidez ocorrerá com ou sem empréstimo.

Mas então, vale a pena ou não tomar um empréstimo?

Como vimos, se uma empresa se organizar financeiramente, ajustando os custos, criando soluções para evitar uma queda alta no faturamento, certamente o empréstimo pode ser benéfico.

Lembrando que, empréstimos de curto prazo devem ser evitados, priorizando neste momento empréstimos de longo prazo com juros reduzidos.

O empresário precisa ter em mente que ao tomar um empréstimo para pagar contas de curto prazo, ele estará apenas mudando a dinâmica do seu endividamento e não eliminando a sua dívida.

Por isso, é fundamental fazer um bom planejamento, para evitar que essa dívida venha a comprometer o lucro líquido da empresa lá na frente.

Portanto, se você está pensando em tomar um empréstimo nesse momento, atente-se para essas questões, que podem fazer toda a diferença para o seu negócio.

Desse modo, um empréstimo pode ser bom ou ruim, dependendo de como a empresa irá aplicá-lo e de como irá gerenciar o fluxo de caixa futuro.

Gostou deste artigo? Deixe o seu comentário, sua sugestão e compartilhe essa notícia com seus amigos nas redes sociais.