Travesseiro te faz espirrar? Conheça o modelo antialérgico

Tratamento antialérgico é o mais indicado para quem tem problemas respiratórios e traz benefícios para toda a família.

Uma boa noite de sono é essencial para descansarmos e recarregarmos nossas energias. É durante a noite que nosso corpo recupera todos os músculos que utilizamos durante um longo dia, bem como é o momento em que nosso cérebro assimila todas as informações que aprendemos durante as horas em atividade.

Mas dormir bem depende de alguns fatores, tanto internos, considerando nossa saúde mental, como externos, considerando os fatores do ambiente. Entre os principais, vamos falar da importância do travesseiro correto para um sono de qualidade. Em especial, falaremos  do modelo antialérgico e todos os seus benefícios, especialmente para quem tem alergias ou problemas respiratórios.

Travesseiros assim, vale pontuar, trarão benefícios para qualquer pessoa, mesmo aquelas que não tenham alguma condição de saúde.

Principais benefícios

Quem dorme as 8 horas recomendadas todos os dias, passará um terço de sua vida com a cabeça no travesseiro e isso já nos dá algumas dicas de por que um modelo antialérgico é tão benéfico. Durante o sono, resíduos de pele morta, oleosidade e suor são transferidos de nossa cabeça, cabelo e pescoço para o tecido do travesseiro. Isso cria um ambiente propício à proliferação de microrganismos.

Nesse sentido, travesseiros antialérgicos, antiácaros e antibacterianos serão sempre a melhor escolha. Outra vantagem é que a maioria dos modelos disponíveis no mercado tem odor neutro mesmo depois de algum tempo de uso, exatamente porque o odor acumulado no travesseiro, na maioria das vezes, vem da atividade de fungos e bactérias em sua espuma.

Como dissemos, para quem tem problemas respiratórios, os modelos de travesseiro antialérgico são essenciais. Quem não apresenta nenhuma questão do tipo, entretanto, vai se beneficiar tanto pela qualidade do sono como evitando que esses problemas possam vir a aparecer.

Estudos baseados em testes de laboratórios demonstram que em apenas dois anos de uso 25% do travesseiro é composto de ácaros. Isso acontece tanto porque o material do travesseiro se degrada com o uso, como porque a quantidade de microorganismos aumenta, substituindo, de certa forma, a espuma original.

Com modelos antialérgicos, esse problema é drasticamente reduzido. De toda forma, o recomendado por diversos profissionais da saúde é que o travesseiro, na verdade, seja trocado a cada dois anos. O médico ortopedista Dr. Marcelo D’Amado diz que, a partir de um ano de uso, já se pode observar o estado do travesseiro para que se comece a considerar a troca.

Escolhendo o material e a densidade do seu travesseiro antialérgico

Diversos são os materiais utilizados na confecção de travesseiros antialérgicos e sua escolha vai depender, essencialmente, do gosto de cada um. Isso porque cada material proporciona uma sensação diferente, o que torna sua preferência bastante pessoal. O látex, o viscoelástico e a microfibra são os materiais mais comuns. Se você não é familiarizado com nenhum deles, o ideal é que você vá a uma loja física para senti-los e tomar a decisão correta.

Algumas dicas sobre o formato do travesseiro, porém, valem a pena de ser pontuadas e isso acaba por informar, de uma forma ou de outra, qual o melhor material para o seu travesseiro antialérgico. Se você dorme com a barriga para cima, por exemplo, o ideal é que seu travesseiro antialérgico tenha uma boa densidade para que ele não perca tanto volume enquanto sua cabeça descansa sobre ele, sendo indicados aqueles com densidade média.

Já quem dorme de lado precisa de um modelo com densidade mais elevada para que o item ofereça a sustentação necessária. Quem dorme de bruços, por fim, pode mesmo dormir sem travesseiro, mas o ideal é que ele seja um travesseiro fino, sem muita elevação.