Desenvolvimento pessoal: aprenda a gerir suas emoções

desenvolvimento pessoal

desenvolvimento pessoal

Você acredita que somos capazes de gerenciar as nossas emoções e isso é uma capacidade psicológica? Saiba que não apenas podemos ter controle desse processo, como também, a partir do momento que aprendemos a gerenciá-las, potencializamos as nossas possibilidades de desenvolvimento pessoal e profissional.

É importante conhecer como reagimos diante dos estímulos que nos rodeiam, assim como também, saber calibrar e controlar a quantidade de resposta emocional que nos interessa.

Esses aspectos nos ajudarão a não gastar as nossas forças e energias de forma inadequada e desnecessária.

Um bom exemplo disso é, de que me serve ficar bravo com um desconhecido? É mais que provável que não volte a vê-lo em sua vida. Desta forma, a única coisa que estou fazendo é gastar energia valiosa de forma improdutiva. Energia que poderá ser canalizada na prática de atividades muito mais satisfatórias.

“A pessoa inteligente emocionalmente possui habilidades em quatro áreas: identificar emoções, usar emoções, entender emoções e regular emoções.” – John Mayer.

Conhecer para gerenciar as emoções

Tememos que um bom número de pessoas pense que as emoções não são controláveis nem gerenciáveis, que é algo que simplesmente surge e nos inunda. Sentimos medo ou amor e não sabemos como, por que e, o que ainda é pior, não nos ligamos da possibilidade de compreender essas emoções gerenciando corretamente cada sentimento.

Emoções femininas no estúdio Foto gratuita

Isso quer dizer que não nos aprofundamentos nesse quesito, e o resultado é que não dedicamos tempo suficiente para conhecer e compreender as distintas emoções e como elas nos afetam.

É por esta razão que em tantas ocasiões acabam confundindo nossos sentimentos. É fácil chegar a pensar que alguém está bravo, quando na verdade pode estar apenas preocupado com algo. Não é um fato banal, ao contrário, uma má percepção das emoções produz uma confusão que pode chegar a produzir graves consequências em nossas relações interpessoais e psicológicas.

No entanto, para que você possa distinguir os sentimentos, necessitamos, primeiramente, conhecê-los e identifica-los em nós mesmos. É o primeiro passo imprescindível para que depois disso, possamos ser capazes de gerir com eficiência as nossas próprias emoções.

As fases para identificar e gerir as emoções

É necessário nominar essas emoções que sentimos em determinados momentos. É fundamental parar e averiguar, no instante exato, o que é exatamente o que sentimos, respondendo a pergunta. O que você sente exatamente? Ira, desgosto, raiva? É preciso fazer esse movimento sendo sempre sincero consigo mesmo.

Porque a primeira fase para poder gerir a emoção seria identificá-la. É fácil reconhecer emoções, as vermos nos demais. O que as faz mais complexas é o fato de que costumam produzirem-se várias de uma única vez. Poderíamos dizer: “me sinto infeliz”, mas o que você quer dizer realmente com essa afirmação? Você se encontra: triste, nervoso, envergonhado, com ciúmes, se sente culpado por algo? Qual desses corresponde a este sentimento?

Coleção de emoções e expressões faciais Foto gratuita

Em virtude disso, chegamos ao segundo passo, considerado inevitável e imprescindível. Somente quando identifique essas emoções é que você poderá aprofundar, analisar e tomar decisões à respeito do que sente. Separar e identificar as emoções me permite saber o que sinto, aprender a conhecer-me melhor e, partindo definitivamente para o gerenciamento das emoções de uma forma eficiente.

Questões chave para gerenciar as emoções

  • Entender que não existem emoções negativas

As emoções tem uma razão de ser. Portanto, é um erro catalogá-las em um grupo de positivas ou negativas. Simplesmente é preciso ter a ideia de que existem estímulos que levam a experimentar determinadas emoções. É inevitável.

O medo, por exemplo, é uma resposta as situações de ameaça. Se nunca o experimentarmos, facilmente cairíamos em condutas temerárias.

Sendo assim, as emoções negativas também nos ajudam a gerir nossas emoções, e é importante que saibamos interpretar suas mensagens.

  • Permite-se sentir, para gerir as emoções

A educação tradicional dificilmente nos ensina a gerir nossas emoções. Convencem-nos de que existem sentimentos e emoções que não devemos experimentar. Dizem-nos, por exemplo, que chorar o ter medo não soluciona nada.

Desta forma, precisamos entender que todas as emoções são legítimas e tem pleno direito a existir e a expressar-se. Se aceitarmos o que sentimos, será muito mais fácil gerir as emoções. Não aceitá-lo implica propiciar uma confusão que termina dada situação resultando em uma tormenta interna.

  • Observe!

A melhor maneira de gerir as emoções é aceitando-as, mas também as compreendendo. Para obter isso é indispensável que incrementemos a capacidade de observação sobre elas. Só por prestar atenção nelas, já permite que comece a canalizá-las.

Quando enfocamos a atenção naquilo que estamos sentindo, automaticamente se modula ou se matiza essa experiência subjetiva.

Quando aceitamos uma emoção não a estamos alimentando. Aceitá-la consiste em observá-la, ver o que está nos dizendo. Quando sentimos ira, em lugar de deixarmos ser levados por ela, podemos mudar isso, observando o que produz tal sentimento.

Ao analisá-lo podemos nos dar conta de que muitas das nossas reações são automáticas. Desta maneira, podemos aprender a modular a nossa conduta sem ser vítimas de nossas emoções.

  • Ser críticos com nossos pensamentos

Ainda que nos pareça que as coisas não são bem assim, muitos de nossos pensamentos surgem de maneira mecânica. Se tratam de interpretações da realidade, que às vezes tem fundamento e às vezes não. Em ocasiões são fruto de um pensamento racional e em outras vezes não.

O pensamento não é a realidade, mas sim um filtro da nossa realidade. Induz-nos a sentir de uma determinada forma diante do que acontece e em muitas oportunidades nos leva a cometer equívocos. Por exemplo, o pensamento pode dizer que uma dificuldade é uma moléstia, mas também poderia nos dizer que é uma oportunidade de mudanças. Desta maneira, isso é obtido apenas quando nos atrevemos a questionar essas ideias e não simplesmente deixar-nos levar por elas.