9 fatos que explicam o crescimento da Indústria de produtos Eróticos

9 fatos que explicam o crescimento da Indústria de produtos Eróticos

Você tem um brinquedo sexual? E se sim, você admitiria isso para seus amigos? Cada vez mais, a resposta a ambas as perguntas é sim. Antes um produto decadente por correspondência anunciado nas últimas páginas de revistas pornográficas, os brinquedos sexuais hoje são comercializados como uma forma divertida de os casais melhorarem seu relacionamento.

E é por isso que o mercado de sexshop movimenta milhares de reais mensalmente no Brasil. E, no processo, as vendas globais das indústrias desses objetos de excitação cresceram exponencialmente em bilhões de dólares.

1. Não são apenas as mulheres que usam brinquedos sexuais

Não são apenas as mulheres que compram e usam brinquedos sexuais, de acordo com Joshua, analista da empresa de pesquisa de mercado Technavio, com sede em Bangalore. “Nos Estados Unidos, por exemplo, cerca de 50% de todos os homens já usaram algum brinquedo sexual”, diz Joshua. Embora ele admita que quando se trata de mulheres, o número é maior: “Cerca de 60 a 65 por cento das mulheres”.

2. Os europeus são maiores compradores do que os americanos

As estatísticas da Technavio mostram que a Europa está vencendo a América em termos de poder de compra. “Algumas pesquisas mostram que até 70% dos homens e mulheres na Itália, por exemplo, em algum momento terão usado um brinquedo sexual”, diz Joshua.

3. As vendas globais estão agora na casa dos bilhões de libras

O mercado global no último ano é estimado em impressionantes £ 18 bilhões. Isso é cerca de dez vezes o tamanho do mercado de escovas de dentes elétricas, por exemplo, e um pouco mais do que o mundo gastou em fornos de microondas no ano passado.

Existe até agencia de marketing digital se especializando em auxiliar empresas deste segmento.

4. O empoderamento da mulher desempenha um grande papel neste crescimento

Erica Braverman, cujo pai Ron co fundou a empresa de brinquedos sexuais Doc Johnson em 1976, diz: “a imagem e a percepção dos brinquedos sexuais mudaram completamente”. E muito disso tem a ver com mulheres – tanto comprador quanto vendedor.

Uma cena famosa nos anos 90 mostra Sex in the City mostra os quatro personagens principais sentados discutindo sobre um vibrador, o que Érica acredita ter sido um “grande momento” para a indústria. “O feminismo entra muito em jogo”, diz ela. “Acho que o empoderamento das mulheres tem sido um grande motivo pelo qual esta indústria avançou tanto nos últimos anos”.

5. As vendas online têm sido outro grande fator de crescimento

O varejista de brinquedos sexuais de comércio eletrônico Lovehoney movimentou mais de £ 100.000 quando foi lançado em 2003 – e eles cresceram cerca de 35% a cada ano desde então. Ao longo dos 16 anos, desde seu primeiro ano completo de operação, eles aumentaram 130 vezes.

O cofundador Richard Longhurst explica por que poder comprar online revolucionou as coisas: “É um produto natural de vender online por causa da discrição… são envelopes marrons simples, caixas marrons comuns, não há constrangimento de entrar em uma loja e ter que falar para um assistente de vendas” “Também não há risco de topar com sua avó ou algo assim.”

6. Os casais representam uma grande proporção do mercado de brinquedos sexuais

Os brinquedos sexuais eram historicamente vistos como algo que você usava se de alguma forma “falhasse no amor e na vida”. O que é verdade agora é que as pessoas que usam brinquedos sexuais, geralmente são casais, e as pessoas que usam brinquedos sexuais avaliam suas vidas sexuais como melhores do que as pessoas que não usam. 

7. A China produz 70 por cento dos brinquedos sexuais

Compre um brinquedo sexual na Grã-Bretanha e é provável que ele tenha começado sua vida no Leste Asiático. Laurence conhece o proprietário de uma fábrica na China chamada William, que explica como seu negócio se expandiu mais de uma dúzia de vezes desde que foi criado, há cerca de vinte anos. Esse aumento pode ser atribuído em parte ao seu desenvolvimento em uma empresa de exportação para abastecer os mercados estrangeiros em crescimento.

8. As vendas ainda estão em alta

O crescimento atual do mercado global é estimado em cerca de 7 a 10 por cento ao ano, mas Joshua, da Technavio, acredita que, à medida que as pessoas nos países em desenvolvimento superarem suas inibições em relação aos brinquedos sexuais, a taxa de crescimento das vendas globais aumentará para algo em torno de 10 a 15 por cento nos próximos anos.

9. Índia e China estão agora entre os mercados de crescimento mais rápido para brinquedos sexuais

Acreditamos que alguns dos mercados que mais crescem são, na verdade, a Índia e a China, diz Joshua. “A maioria dos brinquedos é produzida na China, por isso são bastante baratos.” E embora as atitudes culturais ainda tenham um caminho a percorrer – você não tem permissão para vender brinquedos sexuais em público na Índia, ou criar uma loja de brinquedos sexuais – a adoção do comércio eletrônico e da internet nessas regiões “torna tudo muito fácil para comprar esses brinquedos.”